sábado, setembro 02, 2006

NOVO "RI" | 2 DE OUTUBRO DE 2006

No passado dia 06 de Junho, teve lugar a 22.ª reunião do Conselho Directivo Nacional, tendo sido deliberada a suspensão dos processos de Reconhecimento e Acreditação em curso.

A 2 de Outubro de 2006 entra em vigor o novo regulamento de inscrição da Ordem dos arquitectos, tendo terminando a exigência do exame ilegal e discriminatório.



Boletim de Agosto de 2006 da OA

"A PUBLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO NESTE BOLETIM DECORRE DO FECHO DO PROCESSO DE DEBATE PÚBLICO E INTERNO.

ESTE REGULAMENTO, AMPLAMENTE APRESENTADO E DISCUTIDO - EM SESSÃO DE ESCLARECIMENTO NA ORDEM, A 19 DE MAIO; NA ÚLTIMA ASSEMBLEIA GERAL, DE 29 DE JUNHO; DISPONIBILIZADO PARA CONSULTA PUBLICA, ATÉ 7 DE JULHO - FOI APROVADO NA 24.3 REUNIÃO PLENÁRIA DO CDN, DE 18 DE JULHO, E APRECIADO PELO CONSELHO NACIONAL DE DELEGADOS, EM 21 DE JULHO.

A REDACÇÃO FINAL INTEGRA MUITOS CONTRIBUTOS, DE QUE SE SALIENTAM AQUELES QUE FORAM OFERECIDOS POR MAIS DE UMA QUINZENA DE MEMBROS EFECTIVOS E ESTAGIÁRIOS NO PERÍODO DE CONSULTA PÚBLICA.

RECORDE-SE QUE NA EDIÇÃO DE JUNHO, E EM WWW.ORDEMDOSARQUITECTOS.PT, FOI DISPONIBILIZADA UMA VERSÃO COM REDACÇÃO ALTERNATIVA DE DETERMINADOS PONTOS E LANÇADO O REPTO;

EM MATÉRIA DE ADMISSÃO, O QUE QUEREMOS AFINAL DA ORDEM?

HELENA ROSETA FOI A PRIMEIRA A RESPONDER; O OBJECTIVO PRINCIPAL DO PROCESSO DE ADMISSÃO Á ORDEM É PREPARAR OS RECEM-LICENCIA00S PARA A ENTRADA NA VIDA PROFISSIONAL, ATRAVÉS DE UM BOM ACOMPANHAMENTO NO ESTÁGIO E DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO ADEQUADAS QUE POSSIBILITEM UM EXERCÍCIO PROFISSIONAL RICO E EXIGENTE, COMO É DEVIDO Ã PRÁTICA DA ARQUITECTURA. "

Admissão á OA a partir de Outubro :


Resumindo:

  1. Suspensão dos processos de Reconhecimento e Acreditação
  2. Suspensão do exame ilegal e discriminatório.

No entanto mantém o estágio ilegal que desregulou ainda mais o mercado de trabalho na arquitectura.



Mais uma vez, como diria Tiago Mota Saraiva in “A CONDIÇÃO DO JOVEM ARQUITECTO ou UMA GERAÇÃO SEM CONDIÇÃO“

“Por outro lado, os estágios obrigatórios, tiveram um efeito devastador no mercado de trabalho assalariado, desregulando-o. Os milhares de estagiários que anualmente procura lugar para estagiar, aceitando fazê-lo de uma forma gratuita, veio a provocar inúmeras situações de substituição de jovens arquitectos por um, dois ou três estagiários, causando um aumento de desemprego na classe, sobretudo nos membros mais jovens e cujas consequências sociais ainda estão por avaliar. Por outro lado também surgiram autênticos ateliers-sombra compostos por estagiários sem vencimento e por patronos ausentes, sem custos e só com proveitos.”



Estão preocupados em obrigar os recém licenciados a trabalhar num mercado que não existe, pois tal como todos sabemos em Portugal 99% não é arquitectura mas sim construção.

Engraçado que não ouvimos a OA falar mais no 73/73 , nas corrupções existentes nas câmaras municipais em que alguns dos próprios membros participam, dos projectos que são construidos sem qualquer qualidade, etc

Criem uma Ordem Académica e mudem-se todos para lá para brincar aos professores e aos alunos e deixem o lugar a alguém com experiência profissional em arquitectura para defender os arquitectos e a arquitectura em Portugal.

Comments on "NOVO "RI" | 2 DE OUTUBRO DE 2006"

 

Anonymous Anónimo said ... (segunda-feira, 04 setembro, 2006) : 

As pessoas que andam neste processo macabro há mais tempo, esquecem que isto durou mais tempo porque os colegas que acabaram os cursos em 2002 e 2003 não fizeram o que deviam para acelerar os resultados desejados.
Agora vêm armados em salvadores da pátria, dizer que resolveram o problema. Pois meus caros, não é nada disso. Enquanto andaram a fazer exames e estágios, na OA, andaram a prolongar um processo inquinado à partida. Se ninguém fizesse os exames e estágios, logo desde o inicio, as decisões da OA tinham caido logo.
Quem fez isso, nos primeiros anos deste processo, é que causou todo este tempo perdido.
Mas agora são muito bons!
Tivemos foi sorte de a OA ter chegado à conclusão de que não tinha capacidade de fazer exames e de os classificar. Senão, só resolviam este problema nos tribunais.
E alguns desses campeões só têm processos contra a OA há menos de 1 ano, quando já tinham adabado o curso à 3 anos.

 

Anonymous Anónimo said ... (segunda-feira, 04 setembro, 2006) : 

"Precisam-se de putos com o curso de arquitectura acabado, afim de serem esfolados. Pede-se experiência em tudo o que existe de software ilegal. Oferece-se trabalho, horas extraordinárias obrigatórias e talvez um relatório para entregar na Ordem de modo a tornarem-se esfoladores em vez de esfolados."

Por incrível que possa parecer ainda é um tipo de anúncio pelo qual ainda existem contemplações por parte da Ordem.

Keep up the good work.

 

Blogger arqportugal.blogspot.com said ... (segunda-feira, 04 setembro, 2006) : 

É esse tipo de anúncio que a OA promove no seu site, ainda me lembro de ler algumas ofertas de trabalho para arquitectos no site, agora há oferta de estágios precários.

Para a OA o mais importante é cobrar 300 euros aos recém licenciados para pagar os tachos que se criaram na admissão.

Cumprimentos

 

Anonymous Anónimo said ... (terça-feira, 05 setembro, 2006) : 

Boa Noite caros colegas,

Agradecia que me dissessem onde é que podemos ler na íntegra o novo Regulamento de Inscrição.

Obrigado

 

Anonymous Pinto Coelho said ... (terça-feira, 05 setembro, 2006) : 

No último tema colocado no Blog refere em dada altura

""Resumindo:

Suspensão dos processos de Reconhecimento e Acreditação

Suspensão do exame ilegal e discriminatório.


No entanto mantém o estágio ilegal que desregulou ainda mais o mercado de trabalho na arquitectura.""

Por acaso alguém conhece algum parecer jurídico ou decisão judicial que considere os estágios ilegais... É que me fazia muito jeito!!


Continuo à espera do texto integral do novo RI (a actual designação parece anedota. É que ainda por cima são sádicos)

 

Blogger BiPri said ... (terça-feira, 05 setembro, 2006) : 

Ainda só encontrei o novo Regulamento de Inscrição no Boletim nº 163 da OA, de Agosto passado. E não tem os anexos, só o texto do articulado.

Não se encontra nada no site da OA nem nas secções regionais. Parece que estão com medo que alguém veja mais alguns empecilhos escamoteados...

Solicitem o regulamento à OA (ou o Boletim), que tem a obrigação de o dar a quem o pedir, nem que seja por fax.

Entretanto, não pensem que já está tudo resolvido! Há muitos processos ainda a decorrer, há que repor os prejuízos causados a quem os teve e há ainda a "guerra" pela remuneração dos estágios.

Repetindo o que sempre foi dito pela APELA, os estágios só fazem sentido quando forem remunerados. Os advogados estagiários são pagos, os médicos são pagos, até os estágios na função pública são pagos, só os arquitectos é que não.

Estágios de borla? NÃO!!!
Mão de obra escrava? NÃO!!!
Deturpação do mercado? NÃO!!!

Esta devia ser a "guerra" a seguir.

Diogo Corredoura

 

Anonymous Pinto Coelho said ... (terça-feira, 05 setembro, 2006) : 

Estou de acordo Diogo!!

A OA ao não divulgar de forma clara o RI está a esconder algo ao receia que mesmo esta nova edição possa merecer:

- A discordância dos abrangidos pelas medidas nele contempladas;

-Que seja usado em tribunal contra a própria OA (pois alterou a regras do jogo para uma situação mais amena, logo aplicar-se-á como base das sentenças;

-Receia que mesmo assim que possa ter medidas ilegais ou que procurem regulamentar questões não previstas no Estatuto;

-Sabe das discordâncias em relação aos Ministérios do Ensino Superior e Obras Públicas e não que expor-se a novas críticas;

-Está a reconhece publicamente que se excedeu e já sabe que toda a gente lhe cairá em cima!!!

-E o pior do que tudo tem milhões de Euros para pagar em indemnizações aos lesados, nomeadamente à Universidade Fernando pessoa e aos licenciados por esta Universidade e terá que devolver as verbas cobradas com os reconhecimentos e acreditações que ilegalmente cobrou, se as Universidades lesadas relamarem essas verbas.

Em suma estará falida em menos de nada!!

Acontece que a actual situação dos estagiários é um atentado à sua dignidade e à dos colegas arquitectos que se vêm privados dos seus empregos para serem substituídos pelos estagiários que têm de trabalhar gratuitamente e são por isso explorados pelos seus patronos, os maiores benefeciários desta situação, o que faz deles (patronos), por regra, assistentes passivos e comprometidos com toda esta situação, autêntico atentado aos mais elementares direitos constitucionalmente protegidos, nomeadamente:

O direito ao trabalho;

O direito à escolha da profissão;

O direito à inscrição na Ordem Profissional, dado que é obrigatório para o exercício da profissão de arquitecto;

O direito à remuneração pelo trabalho que desenvolve para a entidade patronal;

O direito de ser enquadrado no exercício das tarefas para as quais está técnica e cientificamente preparado para executar.

 

Anonymous Anónimo said ... (terça-feira, 05 setembro, 2006) : 

São todas estas manobras da OA que descridibilizam e conseguem pôr toda a gente contra.

Mas também nunca foi diferente nestes últimos 6 anos. A OA sempre fez jogo escuro e em todos os procedimentos e atitudes estava presente a perversidade e a má-fé.

Agora, até o boletim deixou de ser enviado aos discriminados.

É porque convém que não haja informação. Os anexos do novo RI, ninguém os conhece.

Mas uma coisa é certa: o que a OA esconde, há-de ser posto a claro nos tribunais e os processos que já entraram hão-de ter o seu fim. O meu será um desses.

 

Blogger arqportugal.blogspot.com said ... (terça-feira, 05 setembro, 2006) : 

Tendo em conta as solicitações foi disponibilizado um scan do novo regulamento agora de inscrição.

Boas leituras

 

Anonymous Anónimo said ... (terça-feira, 05 setembro, 2006) : 

Boa tarde,

Queiram desculpar a minha pergunta, mas onde é que se encontra o scan do regulamento?

Obrigado

 

Anonymous Anónimo said ... (terça-feira, 05 setembro, 2006) : 

Esqueçam, a minha página estava com problemas...

 

Anonymous arq! said ... (quarta-feira, 06 setembro, 2006) : 

"Repetindo o que sempre foi dito pela APELA, os estágios só fazem sentido quando forem remunerados. Os advogados estagiários são pagos, os médicos são pagos, até os estágios na função pública são pagos, só os arquitectos é que não.

Estágios de borla? NÃO!!!
Mão de obra escrava? NÃO!!!
Deturpação do mercado? NÃO!!!

Esta devia ser a "guerra" a seguir.

Diogo Corredoura"

Se o estágio não fosse obrigatório o mercado de trabalho normalizava, o problema é que a OA precisa dos 300 euros de cada candidato para pagar os tachos que criou.

 

Blogger mia said ... (sexta-feira, 08 setembro, 2006) : 

Lembrem-se que a OA tem saldo negativo nas suas contas...

 

Anonymous Anónimo said ... (terça-feira, 12 dezembro, 2006) : 

"Precisam-se de putos com o curso de arquitectura acabado, afim de serem esfolados. Pede-se experiência em tudo o que existe de software ilegal. Oferece-se trabalho, horas extraordinárias obrigatórias e talvez um relatório para entregar na Ordem de modo a tornarem-se esfoladores em vez de esfolados."


lINDO QUANDO LI ESTA CITAÇÃO LEMBREI-ME DO MEU ESTÁGIO!!!
EU FUI 1 DE MILHARES.....
ABAIXO ROSETA E AOS JOB FOR THE BOYS

 

Anonymous Anónimo said ... (segunda-feira, 14 janeiro, 2008) : 

Devemos acabar com o estágio não pago, e tb com os recibos verdes, pois a razão da sua existencia não foi para ser explorado o dono da caderneta que eles foram criados!

Falo por exprincia própria! é a estória do meu estágio!

já agora a Ordem dos advogados proibe nos estatutos o pagamento de estágio! e tem de ser dois anos! esses ainda estão piores do q nós! tenho muitos amigos advogados!

 

post a comment