sábado, julho 09, 2005

OS EXAMES (INCONSTITUCIONAIS) DA Ordem dos Arquitectos (IV)

Noticia no Jornal Correio Manhã / Magazine Domingo











"Parece não haver qualquer sombra de dúvida quanto à determinação da Ordem dos Arquitectos, ou melhor, de quem a dirige actualmente, quanto ao negócio da admissão por parte dos jovens licenciados. De facto, no recentissimo boletim que nos chegou às mãos, boletim oficial da Ordem dos Arquitectos note-se, vem expresso o novo regulamento do EXA- ME, o inenarrável exame, que, já vimos, constitucionalmente não terá a menor razão de ser, e por isso coloca a Ordem numa situação ilegal.
A OA não desiste dos seus intentos, e não desiste por mais do que um motivo: o primeiro será o desejo estalinista (e Cunhal já morreu...), de controlar o acesso à profissão por parte de centenas ou milhares de novos licenciados em Arquitectura, licenciados por cursos oficiais e creditados pelo Governo; o segundo desejo será efectivamente o do lucro, na medida em que pode captar mais uns largos milhares de euros, que poderá investir em viagens de pessoas da sua confiança; investir na edição de livros para promover a liga (informal) dos amigos da Ordem (vide os livros sobre Nuno Portas, Teotónio Pereira, A. Alves Costa, etc...); ou investir em exposições onde só aparecem os amigos do Rodeia, da Tostões, e da Milheiros, os fazedores da história da Arquitectura Contemporânea Portuguesa... O quarto objectivo é um pouco derivado dos três anteriores e visa a intimidação de tudo e todos quantos vivam da arquitectura, mostrando uma força unificadora, uma força única, uma UNICIDADE, como nos bons velhos (estalinistas) tempos da Unicidade Sindical: "Quem não é por nós (e não se sujeita à nossa lei) é contra nós, e como nós somos omniscientes e portanto detentores de toda a verdade, quem é contra nós, contra a nossa política de fazer cultura e de fazer política é gente que não presta. Vide o modo como me tratam, ou melhor como não me tratam, isto é, vide o modo como me ignoram olimpicamente como se eu não existisse... Veremos o que o futuro nos reserva a todos como avaliação histórica. A Ordem dos Arquitectos está fortemente armada, e tem umas trincheiras poderosíssimas, atrás das quais se esconde... Tem a suportá-la a grande maioria dos arquitectos, que ela tem promovido.. Ainda não vi nem ouvi nenhum dos gurus que a OA apoia abrir a boca perante tal vigarice intelectual como é esta dos exames... Porquê? Porque ser bem pensante, agir de acordo com a Ordem, traz inevitáveis benefícios, por exemplo: A Ordem já apresentou através de conferências dois Estádios do Euro'2004, e agora adivinhem quais foram..; Se pensarem dois minutos acertam imediatamente na resposta. Assim fosse fácil acertar no euromilhões... Voltando aos "exames", algumas perguntas se impõem de imediato: Primeira: Tem a bastonária consciência do que se está a passar, ou ela está "manietada" por compromissos relativamente a quem lhe deu este poleiro agora que o PS parece estar a voltar-lhe as cosias (eu escrevi parece...)? Segunda: Quem foram os preclaros arquitectos, ou não, que estruturavam os famigerados exames? Terceira: Quem, ou que motivos levam a OA a manter um anonimato relativamente a quem escreveu o Regulamento Kafkiano que parece inspirado nos motivos que levam a manter secreto os nomes e imagens dos elementos da CIA, ou da KGB antigos e modernos? Estas perguntas devem ser respondidas de imediato sob pena de nós que não estamos contra a Ordem (ainda...), mas contra algumas das suas atitudes e decisões, começarmos a pensar que então a situação organizativa e política da Ordem está ainda mais perversamente envenenada. Eu não acredito que a Bastonária, (agora até condecorada por Sua Excelência o Presidente da República), tenha lido, com a atenção devida (se é que leu...), ou se é que a sua vida política a deixa pensar em arquitectura...), esta passagem do dito e inenarrável documento novo dos exames. Atente-se: "o objectivo das perguntas é o de garantir princípios adequados e compreensivos de avaliação, dando oportunidade ao candidato, para justificar e explicar (com utilização sempre que possível, de esquemas e desenhos complementares) a solução proposta no Momento l em termos de integração Urbanística, do Projecto de Arquitectura e dos Sistemas e Pormenorização adoptados. As respostas deverão ser apoiadas em referências e fontes bibliográficas. Na avaliação das perguntas (e na sua formulação) o candidato deverá demonstrar que tem sensibilização, conhecimento e competência para o exercício da actividade de arquitecto. Sensibilização significa um entendimento e um conhecimento das matérias necessárias à prática profissional e uma atitude ética e deontológica do seu papel como arquitecto, das suas possibilidades e limites e dos seus direitos e deveres. Deverá demonstrar Conhecimentos adequados sobre teorias, práticas, métodos, acesso e gestão de informação nas diferentes áreas temáticas e Competência na transposição e utilização dos conhecimentos adquiridos para o trabalho de projectista e para a prática profissional. A avaliação terá também em conta a correcta utilização de termos e expressões e a legibilidade da argumentação utilizada." Este é o texto mais "estranho" da cultura e da pedagogia aplicada, que eu com mais de quarenta anos de profissão, e quase trinta e cinco de Professor Catedrático, tive oportunidade de contactar e ler... Um dia apreciá-lo-emos relativamente à sua impossível aplicabilidade. "

Comments on "OS EXAMES (INCONSTITUCIONAIS) DA Ordem dos Arquitectos (IV)"

 

Anonymous CSI: said ... (sábado, 09 julho, 2005) : 

Isto de ser arquitecto tem a sua ciência social, é impressionante, o Sr. Taveira é o único que encara a ordem dos arquitectos de frente sem pudor na língua E FAZ ACUSAÇÕES GRAVISSIMAS E BEM FUNDAMENTADAS, é justo e defende quem tem razão, tenho pena que a maioria dos arquitectos em Portugal não digam nada sobre o assunto dos exames, é uma vergonha, serão eles com pactuantes dos NAZIS da OA

 

Anonymous Anónimo said ... (sábado, 09 julho, 2005) : 

Não vejo mal que possamos discutir o anedótico conteúdo programático e formato da nova (3ª)prova de admissão. Pois se estamos na era das novelas, dos acorrentados, dos big brothers, das quintas e outros que tais (...). Tudo é admissível. Tudo é plausível.

Agora, ainda não foi dito qual o local onde se realizará a dita; sabemos que é fora das instalações da OA e que dura 3 (ou 2, parece que ainda não está bem certo)semanas.

Estou em crer que será num quartel militar, devidamente policiado e em estado de alerta vermelho.
Sim, porque nós somos uns criminosos que ousamos tirar um curso devidamente homologado pelo Estado, reconhecido pela Ordem e que cumpre a Directiva comunitária. Já fomos condenados duas vezes e segundo o ditado "não há duas sem três". Não se esqueçam do que a OA já nos disse olhos-nos-olhos: «a OA não pode deixar entrar toda a gente», e a Sra. presidente também já nos repetiu vezes sem conta que «tem de haver vítimas».

Certo é que eu não acredito que tal prova se venha a realizar. Eu não voltarei mais a submeter-me a essa fraude.Estou plenamente consciente da sua ilegalidade porque já li devidamente a Lei de Autorização Legislativa, os Estatutos, o Ria, a Directiva e, finalmente, o parecer jurídico sobre tudo isto. Recomendo a todos que façam o mesmo. Se não quiserem perder muito tempo leiam o parecer jurídico que é o bastante e está aqui no blog bem como a tal Lei.

Já agora, para quem diz: Ah, mas os Advogados, os Engenheiros, os Médicos,etc, também fazem provas de admissão! Pois é,a diferença é que a Lei de Autorização Legislativa aprovada pela Assembleia da República para essas Ordens Profissionais lhes concede expressamente esse poder o que não acontece com a Ordem dos Arquitectos. Logo, tudo tem de ser revisto desde os Estatutos até ao RA; estão ilegais, são nulos.

Acho que o Tomás Taveira não faz nem mais nem menos do que denunciar com toda a legitimidade o que de tão mau têm feito algumas pessoas que dirigem a OA. Pena é que esteja a ser a única voz dissonante. Os outros comem e calam. Talvez lhes falte a coragem; mas essa cumplicidade de silêncio tem um custo e esse custo é a péssima imagem pública da Ordem neste momento e mais o que está para vir.

 

Anonymous Anónimo said ... (sábado, 09 julho, 2005) : 

Tomás Taveira aborda a máquina da ordem dos arquitectos, de uma forma bastante elucidativa, pena será que outros arqutectos não o façam uma vez que precisam da OA para se auto promover, helena Roseta não me parece ter capacidade para ser prsidente da Oa uma vez que ela não tem obra e não conhece a realidade do mercado de trabalho mas sim a realidade das pessoas que a rodeiam as tais estrelas de supermercado.

 

Anonymous lihbçbçvb said ... (domingo, 10 julho, 2005) : 

ELEIÇÕES JÁ

TT o único CANDIDATO válido que não exige nada de ninguém !

TT AO PODER !

FORA OS CANDIDATOS aa bb cc dd ee ff gg hh ii jj kk ll mm nn oo pp qq rr ss uu vv xx zz e

kk ww yy !

 

Anonymous Anónimo said ... (domingo, 10 julho, 2005) : 

Olá!

Cá está ne novo o Valha-nos Deus. Quero dizer,depois de uma metamorfose.

Sempre me pareceu que misturar coisas do Divino com coisas do pagão, não dava bom resultado!

Cresça, cresça e traga-nos Boas-novas...

 

Anonymous OPRE said ... (domingo, 10 julho, 2005) : 

"Quando o Estado é fraco e os governos débeis, triunfam os poderes fácticos e os grupos de interesse corporativos."

O problema para estes grupos é que o povo já deixou de ser estupido e burro hà muito tempo, a helena roseta pensa que ainda anda a dar banhadas no pessoal no 25 de abril, gostei de ve-la na feira do livro a recolher assinaturas feita uma noob, coitada não tem assunto para defender aquilo que representa, defende discriminação dos licenciados .

 

Anonymous Anónimo said ... (domingo, 10 julho, 2005) : 

Como as pessoas se esquecem depressa...

Conheci o arq. Tomás Taveira na Faculdade. Não foi meu professor.
Lembro-me como insultava professores e alunos. Como colocou familiares a dar aulas na escola...
Lembro-me de como usou e abusou consecutivamente dos "poderes" de catedrático. Ao ponto de terminar com diversos processsos em cima que num primeiro momento lhe provocaram uma suspensão das actividades na FAUTL, e mais tarde a expulsão.

É este mesmo arquitecto que hoje se faz passar por herói! Defensor de todos vocês que se encontram numa situação tremendamente complicada e injusta.

Não deixo de notar no texto dele uma profunda ironia, e sobretudo "ciúme" por não poder estar no lugar da Helena Roseta, por não ter os seus "fabulosos" estádios apresentados na Ordem.

Confundem-se princípios e valores nos textos deste senhor...
Preocupa-me o crédito que lhe dão...

Concordo com a análise que ele faz da inconstitucionalidade dos exames, mas tudo o resto... Gostava de perceber onde é que ele quer chegar, e o que está disposto a fazer para o conseguir...
Desculpem, mas não acredito numa ÚNICA palavra de boa vontade vinda deste senhor.

 

Blogger arqportugal.blogspot.com said ... (domingo, 10 julho, 2005) : 

"Preocupa-me o crédito que lhe dão..."

Todas as notícias publicadas na comunicação social relacionadas com a questão dos exames à Ordem dos Arquitectos têm tido o mesmo crédito, preocupa-nos o facto de não haver mais ninguém na classe dos arquitectos a manifestar a sua opinião sobre a situação vergonhosa em que se encontram alguns dos licenciados em arquitectura deste Pais.

 

Anonymous atento said ... (domingo, 10 julho, 2005) : 

"Confundem-se princípios e valores nos textos deste senhor...
Preocupa-me o crédito que lhe dão..."

IDEM

 

Anonymous CRITICO said ... (domingo, 10 julho, 2005) : 

"Desculpem, mas não acredito numa ÚNICA palavra de boa vontade vinda deste senhor. "

IDEM

 

Anonymous Serpi said ... (domingo, 10 julho, 2005) : 

Infelizmente creio que os comentarios vindos do colega Tomás Taveira, não servem a nossa causa e aos olhos dos restantes colegas tira-nos a razão que temos, iventando um ditado chines (muito em moda) é como o Leão a querer ajudar o rato a fugir do gato. Não está claro que no final vai comer os dois??? As nossas posições têm de ser firmes e fortes não necessitamos da ajuda de muletas.

 

Anonymous o jaon said ... (domingo, 10 julho, 2005) : 

O arq. Tomás Taveira, não um arq. por quem tenha alguma simpatia, não me refiro ao que se passou enquanto prof. Catedrático ou no seu atelier, mas sim com a sua obra. No entanto tenho que lhe tirar o chapéu ( independentemente dos seus interesses ) pois é o ÚNICO ARQUITECTO QUE PUBLICAMENTE DEU A CARA.
No dia a dia , muitos são os arquitectos que me confidenciam, que a AO não tem o direito de fazer o que está a fazer aos licenciados, QUE NÃO É LEGAL, QUE NÃO É JUSTO… enfim, todos nós já ouvimos, mas que mais fazem além destas lamentações?
NADA.
Por isso, OBRIGADO ARQ. TOMÁS TAVEIRA POR ESTAR DO NOSSO LADO, POR TER A CORAGEM DE DAR A CARA, POR OS ESTAR A CONFRONTAR.
Terá a ARQ. Helena Roseta consciência do que se está a passar, da desunião que está a provocar, do ódio que está a criar na classe. Será que todos os arquitectos estão a dormir, ou será, que temos mesmo uma DITADURA, comandada por alguém que se intitula de democrata e de socialista. Será mesmo que não existe manifestação ou confronto por medo ou por um outro interesse.
Se é assim, então teremos mesmo de lutar.
NÃO À DISCRIMINAÇÃO
NÃO Á DESUNIÃO DOS ARQUITECTOS
NÃO AOS ARQUITECTOS DE PRIMEIRA E DE SEGUNDA CLASSE
NÃO À DITADURA
FIM AO RECONHECIMENTO E ACREDITAÇÃO DOS CURSOS
QUE TODOS SE RECUSEM A FAZER O EXAME
NÃO AOS EXAMES
NÃO AOS EXAMES

 

Anonymous NÃO AOS EXAMES DISCRIMINATÓRIOS said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

QUE TODOS SE RECUSEM A FAZER O EXAME DISCRIMINATÓRIO

NÃO AOS EXAMES DISCRIMINATÓRIOS
NÃO AOS EXAMES DISCRIMINATÓRIOS
NÃO AOS EXAMES DISCRIMINATÓRIOS
NÃO AOS EXAMES DISCRIMINATÓRIOS
NÃO AOS EXAMES DISCRIMINATÓRIOS
NÃO AOS EXAMES DISCRIMINATÓRIOS
NÃO AOS EXAMES DISCRIMINATÓRIOS
NÃO AOS EXAMES DISCRIMINATÓRIOS
NÃO AOS EXAMES DISCRIMINATÓRIOS
NÃO AOS EXAMES DISCRIMINATÓRIOS
NÃO AOS EXAMES DISCRIMINATÓRIOS
NÃO AOS EXAMES DISCRIMINATÓRIOS

 

Anonymous Anónimo said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

QUE TODOS SE RECUSEM A FAZER O EXAME DISCRIMINATÓRIO

aCHO MUITO BEM QUE ISSO ACONTEÇA SE A ORDEM DOS ARQUITECTOS OUSAR MARCAR EXAMES DISCRMINATÓRIOS DEVE PAGAR POR ISSO E PROVAR O SEU PRÓPRIO VENENO, EU NUNCA FAREI TAL EXAME, E ALGUEM VAI PAGAR SE ME LIXAR AI VAI VAI

NÃO AOS EXAMES DISCRIMINATÓRIOS

 

Anonymous Valha-nos Deus said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

Caro anónimo

Ainda bem que há mais "velhinhos" no blog.
Concordo com tudo o que diz e é de facto uma pena que estes rapazes e raparigas confiem tanto nas "boas intenções" do arq.Tomás Taveira.

Cumprimentos

 

Anonymous ai ai said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

'o Leão a querer ajudar o rato a fugir do gato.'

o Leão - TT
o rato - licenciados
o gato - os exames?? ou a cagufa??

 

Anonymous Anónimo said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

Ao comentador anterior

Durante o percurso da minha vida já fiz muitos exames, talvez centenas. Em todos existia sempre um grau de dificuldade. Nunca o grau de obstáculo como a Ordem pretendeu que os seus exames fossem (sejam). Os resultados já estavam pré-definidos como se veio a confirmar. Chumbar 98 em 100, isto é normal? Claro que foi o mecanismo que a OA encontrou para fechar a porta a alguns uma vez que afirma que "não podem entrar todos". A própria Helena Roseta confessou publicamente que se fizesse o exame também chumbava.

De todo o modo eu não chamo àquilo um exame, foi uma merda de uma palhaçada que se repetiu vergonhosamente duas vezes.
Lobbismo, xenofobia e discriminação foram as intenções que estiveram na sua origem.

O desmascaramento desta e outras fraudes e ilegalidades já está a acontecer.

Certo é que não me submeterei mais a qualquer exame na Ordem.

 

Anonymous Anónimo said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

OA?

Eu proponho AO - Arrastão da Ordem!

O de Carcavelos parece que se provou que afinal não foi bem um arrastão.

Mas na Ordem está provado e documentado que só escapam 2 em 100!

ISTO É QUE É UM ARRASTÃO!!!!!!!

 

Anonymous arquitecto estagiário said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

Comenta-se a vida privada do TT, alguém fala dos estádios com ironia.

Por mais dor de cotovelo que haja, o TT é o ARQUITECTO PORTUGUÊS COM MAIS OBRA FEITA.
A ele se deve o início da mediatização da arquitectura portuguesa, com o período das Amoreiras e do BNU, entre outros.

É irónico e triste que uma grande parte dos arquitectos diga que não concorda com a forma como a Ordem está a ser gerida, como os dinheiros estão a ser gastos com os Boys, e também que não concorda com a forma como a Ordem está a tratar os licenciados, mas que não faça nada.

O ÚNICO ARQUITECTO, CONHECIDO OU DESCONHECIDO, QUE PUBLICAMENTE ESTÁ A DAR A CARA E A DENUNCIAR PUBLICAMENTE ESTA DISCRIMINAÇÃO, É O ARQUITECTO TOMÁS TAVEIRA.

Vir falar que o Leão quer comer o gato e o rato é uma hipocrisia. Há por aí muito “ lobo em pele de cordeiro “, basta pensar naqueles que se estão a aproveitar do trabalho e do dinheiro dos licenciados.

APENAS POSSO AGRADECER A QUEM TEM A CORAGEM DE DAR A CARA POR MIM.

Obrigado Prof. Arquitecto Tomás Taveira.

 

Anonymous o jaon said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

sobre o comentário do ai ai, posso deduzir que certamente não teve de se submeter ao exame e que, ainda não entendeu ou não quer entender, que o exame, NÃO É UM EXAME , É APENAS UMA MANEIRA ENCENADA DE BLOQUEAR O ACESSO A ALGUNS, ou seja uma treta.
Concluindo, quem se submeter a exame na OA está a entrar no jogo, logo a pactuar com eles, a os apoiar.
NÃO Á DISCRIMINAÇÃO DE ARQUITECTOS

 

Anonymous paulo said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

A Ordem pretende a revogação parcial do 73/73 e muito bem.
"Devolver a Arquitectura aos Arquitectos."
Então para que pretende acreditar os cursos da FA-UTL de "Gestão Urbana" e "Planeamento Territorial"? Será que isso não é para Urbanistas e Planeadores?
Deixem trabalhar os licenciados que terminam os seus cursos em ARQUITECTURA e preocupem-se com as condições dos Arquitectos, em vez de se meterem na vida dos outros. Para isso já nos basta o actual 73/73 !!

 

Anonymous Anónimo said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

Sobre as contas da Ordem,o último boletim - Julho de 2005(pag. 03), faz referência à Assembleia Geral de 31 Maio.

Diz no ponto 2:

«...os valores globais das nossas contas anuais já rondam os 5 milhões de euros».

«...decidimos pedir de novo uma auditoria externa às contas de 2004. Essa auditoria, a cargo da Price Waterhouse & Coopers, detectou procedimentos e valores que propôs que fossem corrigidos, no sentido de uma maior transparência e consistência das contas da Ordem» (...)

"Já agora, vale a pena pensar nisto..."

 

Anonymous veterano sujeito a provas said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

Ao arq estagº que diz: "APENAS POSSO AGRADECER A QUEM TEM A CORAGEM DE DAR A CARA POR MIM / Obrigado Prof. Arquitecto Tomás Taveira",

lembro-lhe eu: Tenham cuidado com a cara que o TT vos der - conheço-lhe várias.

Ao Paulo que diz "... para que pretende (a OA) acreditar os cursos da FA-UTL de "Gestão Urbana" e "Planeamento Territorial"? Será que isso não é para Urbanistas e Planeadores?",

lembro-lhe eu: Esses curso e ainda o de 'Arquitectura da Moda' foram idealizados pelo TT.

 

Anonymous Cabal said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

Essa da "arquitectura da Moda" nunca consegui perceber, é deveras caricato tal nome, gera confusão nas cabeças das pessoas, enfim. A OA anda-se a movimentar no sentido de resolver o problema dos licenciados já reconheceu publicamente a injustiça, falta saber de que forma é que o vai fazer.

 

Anonymous Anónimo said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

Parem de dizer que o TT é o único que se insurge contra a forma como a Ordem está a actuar!

Eu conheço pelo menos duas pessoas, uma delas da geração do TT, e que até já teve (noutros tempos) um importante papel na Associação, que também o fez, logo na altura do primeiro exame. Mas ninguém ligou, muito menos a comunicação social.

Agora é que vem o TT, como sempre, encavalitar-se na onda contestatária, para daí sair como "aquele", a única voz dissonante... e não é que está quase a conseguir?

 

Anonymous arquitecto estagiário said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

Caro " veterano sujeito a provas " :

Não estou preocupado com outras caras que o TT possa ter.

APENAS ESTOU PREOCUPADO COM A DESCRIMINAÇÃO DE QUE ESTOU A SER ALVO POR PARTE DA ORDEM DOS ARQUITECTOS. Neste ponto mais nenhum outro arquitecto ( teu herói ou não ) deu a cara por todos nós os que estamos nesta situação.

Tornou-se “ moda “ marginalizar o TT. Existe entre a maior parte do licenciados o medo de poderem ser de algum modo associados ao TT.

Entre os licenciados tornou-se “ in “ ser-se contra o TT. Foi-lhes transmitido isso na escola, quando lhes apresentaram os arquitectos contemporâneos e na maior parte dos casos omitiram a sua obra. Em muitos casos nem sequer a comentaram. Terá sido pela falta de qualidade da obra ou por dor de cotovelo.

 

Anonymous Anónimo said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

Também se tornou moda pensar que mudar o 73/73 se trata apenas de tirar aos outros técnicos a possibilidade de assinar projectos e entregar os mesmos aos arquitectos.

Este Decreto-Lei regula a actividade e competências de todos os técnicos intervenientes no mundo da construção civil. Quando foi aprovado, para obras usuais sem grande complexidade especifica, apenas haviam projectos de: arquitectura, estabilidade, águas e esgotos, e telefones e electricidade. Hoje os projectos de especialidades assim como o acompanhamento da obra e respectiva segurança são cada vez em maior número e cada vez mais específicos.

A revisão do 73/73 carece portanto da regulamentação do perfil profissional de cada tipo de técnico e da atribuição das respectivas competências, para que não aconteça como agora em que temos engenheiros e agentes técnicos a fazer arquitectura e arquitectos a fazer especialidades e a dirigir obras. Caminhamos para a especialização.

Mais, se hoje o 73/73 fosse revisto não significava que amanhã todos os arquitectos teriam montes de trabalho. Grande parte do trabalho de arquitectura ( a nível nacional ) é feito nos gabinetes dos técnicos das autarquias ( arquitectos, engenheiros, agentes tecºs., e inclusive administrativos ). Em muitos casos estes gabinetes já têm como assalariados jovens arquitectos inscritos na Ordem que a troco de um baixo salário mensal assinam os projectos do gabinete, que depois será aprovado pelo patrão. Desta forma o trabalho que sobra para todos os outros é muito pouco. É claro que a ordem não vê isto, então para que quer rever o 73/73 se não se importa com esta pouca-vergonha a nível de ética e de deontologia. Ètica e deontologia sim, porque em grande parte dos casos, estes técnicos que estão nas autarquias pura e simplesmente boicotam e dificultam a vida aos colegas.

È CLARO QUE AQUELE QUE INVESTE O SEU DINHEIRO CONTINUARÁ A MANDAR FAZER O PROJECTO ONDE SOUBER É APROVADO MAIS RAPIDAMENTE. LOGO MESMO COM A REVISÃO DO 73 SERÃO OS MESMOS A CONTINUAR A TER TRABALHO.

 

Anonymous Anónimo said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

Este ultimo comentario é bastante elucidativo do contexto do mercado de trabalho da arquitectura, a corrupção invade-nos, e ninguem diz nada sobre o assunto, seria interessante denunciar situações de violação de deontologia POR PARTE DE ALGUNS ARQUITECTOS DAS CAMARAS.
Quem sabe um dia destes não poderão fazer um tema sobre este assunto.

OS USURPADORES DE PROJECTOS

 

Anonymous rio salgado said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

para mim o exame seria uma simpes pergunta:

reconhece alguma qualidade na obra do Arq. Tomas Taveira (T.T) ?

todos sabemos qual a mediatizacao do T.T. ,

e mediatizacao nao significa qualidade... digo eu....

revogacao do 73/73...

 

Anonymous Anónimo said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

ò eminência " rio salgado "

Seria bom que apresentasses um pequeno texto explicando porque é que o trabalho do TT não tem qualidade.

É em termos de estética? É em termos funcionais? Ou será em termos de dor de cotovelo?

Certamente o teu trabalho é melhor?

 

Anonymous Anónimo said ... (segunda-feira, 11 julho, 2005) : 

ò eminência " rio salgado ":

revogacao do 73/73...? Também estás pensando que com a revogação do 73/73 resolves os teus problemas de falta de trabalho? Olha, " a pensar morreu um burro ".

 

Anonymous Anónimo said ... (terça-feira, 12 julho, 2005) : 

Dada a intensidade de notícias que têm surgido ultimamente sobre a Ordem dos Arquitectos, veiculadas pelos mais diversos órgãos de comunicação social, caberá esclarecer que, não obstante as notícias hajam surgido apenas muito recentemente, o certo é que já lá vão 5 anos que este problema afecta de modo indelével um elevado número de cidadãos que se acham objectiva e ilegitimamente privados de exercer a sua profissão, e afectará muitos mais, se quem de direito nada fizer para reverter a situação.

De nada vale “bater” nos mensageiros!

De nada vale desqualificar ou desconsiderar uns e outros!

O CERTO É QUE OS FINS NÃO JUSTIFICAM OS MEIOS!

Os “fins” da OA são de tal modo genéricos que a todos soa bem, mas, afinal, não passam de falsos pretextos!

As causas e os fundamentos, já esses, começaram por ser uns... e depois outros.... até que ... já tantos foram ...... que se perderam com os ventos !!!!!!!

Quanto aos meios, bom.... também tantos foram....

Que o digam aqueles que, “marcados” como as “vitimas da praxe”, o mal necessário do progresso, de boa fé, lá se têm sujeitado aos devaneios de uma Instituição, verdadeiramente sem “rei nem roque”, tal qual ratos de laboratório, indefesos, e que, ainda neste momento, não sabem se vivem, se morrem.... ou se já morreram mesmo!!!!!

O que é certo, é que:

- A OA tem procurado, sem olhar a meios, impedir o ingresso naquela Instituição de licenciados provenientes de cursos devidamente homologados pelo Estado Português, indiscriminadamente, tanto de universidades públicas como privadas.

- É clara a inconstitucionalidade dos procedimentos que a OA tem vindo a impor, fazendo letra morta dos mais elementares princípios de um Estado de Direito Democrático e sobre os quais tem sido sucessiva e incessantemente alertada.

- Num “processo” de completo e absoluto abuso da credulidade e boa fé dos Licenciados mas também, é bom que se diga, das próprias universidades.

- E mais do que um problema dos cidadãos directamente afectados, este é um problema do País – estamos a falar de uma matéria de reserva da Assembleia da República na qual a OA está a imiscuir-se, contra tudo e contra todos.

- A Lei de Autorização Legislativa nº 121/97, de 13 de Novembro dispensa quaisquer comentários: é clara, concisa e não deixa margem para quaisquer dúvidas.

- O Jurista e Prof. Catedrático chamado a pronunciar-se, concluiu:
“A aprovação do Regulamento Interno de Admissão à Ordem dos Arquitectos inscreve-se numa tentativa de regulamentar a profissão a partir de padrões de exigência qualitativa elevada. A preocupação é não só compreensível como louvável. As funções das associações públicas profissionais não são desligáveis do reforço do reconhecimento público conexo com a elevação dos padrões qualitativos de prestação dos serviços.
Paradoxalmente, essa tentativa, tal como resulta do Regulamento Interno de Admissão à Ordem dos Arquitectos, desenvolve-se com o sacrifício de padrões mínimos de qualidade jurídica.
Do ponto de vista da técnica da redacção normativa, o regulamento é francamente deficiente. Do ponto de vista da validade material, o conteúdo do regulamento viola diversas limitações constitucionais e legais. Do ponto de vista do impulso regulador, não tem fundamento a remissão para um eventual mandato emergente da regulação comunitária.”

- Não obstante todas as diligências já empreendidas pelos directamente afectados, junto das mais altas Instâncias deste País e até dos Tribunais, a situação mantém-se.

Mas a OA parece pretender fazer vingar a sua ultrajante e prepotente posição contando com a inoperância daquelas, nomeadamente dos Tribunais, e a exaustão dos afectados.

CABERÁ A TODOS NÃO DEIXAR QUE TAL ACONTEÇA!

Quantos aos Senhores Arquitectos – referindo-me aqui aos já inscritos naquela OA - que não restem dúvidas: também estes estão a ser vítimas e a sofrer abusos!

É que a OA age em SEU NOME !!!!!

E, no entanto,

NUNCA OS CHAMOU A PRONUNCIAR-SE SOBRE A QUESTÃO!

A OA, exclusivamente através dos seus órgãos executivos, está a denegrir a imagem daqueles que, também eles, se licenciaram, com mais ou menos sacrifícios, aqueles que pagam quotas há anos e que, a esta altura, já dedicaram grande parte da sua vida a construir uma carreira, dos mais aos menos famosos, dos mais ou menos conceituados, dos mais ou menos contestados!

A OA ESTÁ, ENFIM, A DENEGRIR A IMAGEM DE UMA CLASSE, DE UMA PROFISSÃO, DE UM PAÍS!

As consequências estarão para vir e cá estaremos, todos, mas todos sem excepção, para arcar com elas!

 

Blogger karl ïnka said ... (sábado, 16 julho, 2005) : 

nem sequer reconheço idoneidade ao sr taveira para criticar nada que tenha a ver com arquitectura, por nem sequer o considerar arquitecto, e apenas um mero cromo do star system da arquitectura política e de lobbies. talvez ele a critique, por na sua mais profunda consciência saber que reprovaria em quallquer das provas da ordem, porque deve ser daqueles estudantes que fez o curso com cábulas. A profissão está saturada.ponto. a ordem deve regulamentar o acesso.ponto. quem tem cu tem medo.ponto.já que o estado não tem critérios na regulamentação dos cursos de arquitectura que abrem , ao menos que seja a ordem a impedir o acesso à profissão aos milhares de arquitectos(?) que saem todos os anos de universidades que ninguém ouviu falar, e cujos universos arquitectónicos que conhecem sejam aqueles talvez praticados pelo sr.taveira. a Arquitectura não~´e para todos, é para os que lutaram todo o seu percurso académico para ter média de 18 para entrar na faculdade, e não daqueles "inergúmeros" que apanhei no secundário, e 5 anos mais tarde são arquitectos e fazem merda atrás de merda, e nem a medida de uma folha a4 sabem de côr ( e apanhei tantos)....meus amigos, ser arquitecto está na moda, é fashion,não saturem a profissão e não queiram substituir os desenhadores, porque a vossa cultura arquitectónica, histórica e de cidade, é nula...quem foram mesmo os vossos professores?....como não haveriam de reprovar no exaqme de acesso á ordem? se os vossos docentes nunca teriam passado?!...mudem de vida, como dizia o antónio variações,estão sempre a tempo.

 

Anonymous CSI: said ... (sábado, 16 julho, 2005) : 

Karlinka

Então? Que conversa tão estranha a tua relativamente ao acesso ao ensino, ter 18 para ser arquitecto?
Axas isso mesmo imprescendivel?
Relativamente ao cu do medo, ninguem tem medo rapariga , será que não leste bem o que se passa?

O EXAME É DISCRIMINATÓRIO, UNS LICENCIADOS FAZEM EXAME E OUTROS NÃO FAZEM.

PRONTUS PERCEBESTE, agora ve se te organizas e aparece mais vezes para trocar ideias.

Cumprimentos

 

Anonymous Anónimo said ... (terça-feira, 19 julho, 2005) : 

Karl Ïnka:


Já agora que se fala da quantidade dos licenciados, convinha dizer que a grande quantidade provém da Universidade Lusiada. Apenas esta universidade nos últimos 3 anos ingressou cerca de 2800 estudantes de arquitectura, enquanto que qualquer das outras não foi além dos 500 estudantes.

PORTANTO A GRANDE QUANTIDADE DE lICENCIADOS NÃO SAI DAS UNIVERSIDADES DESCONHECIDAS, COMO ALGUÉM QUER FAZER CRER, MAS DA UNIVERSIDADE LUSIADA.

Como é que se chegou a este ponto.

SERÁ QUE ISTO TEM ALGUMA COISA A VER COM ALGUM PROTECCIONISMO ESPECIAL DE ALGUMA INSTITUIÇÃO? DA ORDEM, POR EXEMPLO?

 

Anonymous Anónimo said ... (quarta-feira, 20 julho, 2005) : 

Querem ver que agora o Valha-nos Deus mudou de nome para "Karl Ïnka"?!?

É que a merda do discurso (desinformado e a leste do real problema) é a mesma, só muda o cheiro.

Será que todos quantos aparecem aqui a dar opiniões deste género se deram ao TRABALHO de ler a Lei da Autorização Legislativa, os Estatutos da OA, a Directiva Comunitária, o Decreto-Lei 14/90, o RIA, o novo RA e o parecer que foi entregue ao Provedor de Justiça?

Tipo aquela onda do "deixa-me cá informar correctamente e fundamentar a minha opinião ACERCA DOS QUE ESTES PUTOS EXIGEM para ter a certeza que não faço figura de PALHAÇO"!!!

 

Anonymous Anónimo said ... (quarta-feira, 20 julho, 2005) : 

"PUTOS" ?!?

Pois.... isso é o que pensam os Srs. da OA!

Mas o certo é que estes "putos" são LICENCIADOS, tão licenciados como eles próprios!!!!

LICENCIADOS!

Não são "putos" !
Não são "estudantes"!

São LICENCIADOS!!!!!

 

Anonymous Anónimo said ... (quarta-feira, 20 julho, 2005) : 

Pois é !

Os Senhores da OA é que parece que continuam com o sindrome da academia!!!

E até tem lógica: é que eles não são mais do que Prof's das universidades!!!!

Sempre o foram!

Contam-se pelos dedos das mãos aqueles que são ou alguma vez foram verdadeiramente "arquitectos"!!!!

Daí que só "vejam" as coisas na perspectiva estudante - professor !!!!

Daí que vos considerem "putos"!!!

Mas os "putos" são LICENCIADOS!

Há muito deixara de ser "putos", de ser "estudantes"!!!!

E de ser ingénuos também!!!

Os vossos Colegas Licenciados da OA que se acautelem!!!

Vocês já são mais arquitectos do que eles alguma vez o conseguiram ser!!!!

O ensino e a política não deixam tempo para mais!!!

E, após algum tempo - no ensino e na politica - dificilmente conseguirão ser outra coisa!!!!

O resultado está à vista!!!!!

 

Anonymous karl inka said ... (quarta-feira, 27 julho, 2005) : 

sim...licenciados!!!!metade do país é licenciado!!!!so what??????????

 

Anonymous CSI: said ... (quarta-feira, 27 julho, 2005) : 

so what??????????

Goooooooooooooooooooooooooood

 

post a comment