segunda-feira, agosto 01, 2005

ACREDITAÇÃO DE CURSOS | PRESIDENTE DO IPL

Por um novo ciclo para o Ensino Superior
Luciano Santos Rodrigues de Almeida, Presidente do Instituto Politécnico de Leiria

Acreditação de cursos
É matéria sobre a qual me tenho já pronunciado. Recordo, por isso, apenas algumas das ideias-chave, o que faço acompanhado do pedido para que rapidamente se ponha cobro a esta situação.Ninguém tem dúvidas que o acesso a uma determinada profissão possa e deva ser regulado, mas também ninguém pode ter dúvidas que o único interesse digno de protecção subjacente a essa regulação é o interesse público. Este interesse não pode ser confundido com interesses corporativos de grupos mais ou menos organizados preocupados com a concorrência dos mais jovens. Quando se criam mecanismos de regulação no acesso a uma determinada actividade ou a uma determinada profissão, pretende-se com esses mecanismos garantir que um determinado sujeito, em concreto, está apto ao exercício dessa actividade ou profissão. A acreditação de cursos é, como é sabido, uma forma legalmente prevista de dispensa dos alunos que terminaram um determinado curso com aproveitamento do exame de admissão a uma determinada ordem profissional. Na acreditação do curso a ordem profissional avalia o processo de formação e tece um juízo de valor segundo o qual, em princípio, quem tiver concluído aquele curso está apto para o exercício da profissão. O juízo de valor não incide sobre o candidato em concreto, mas sobre o processo de formação da instituição em que se graduou. Ou seja, a ordem profissional presume a aptidão do candidato sem que o submeta individualmente a qualquer processo de avaliação. E é com base nessa presunção que se permite o início do exercício da actividade ou da profissão. Defrauda-se, assim, o consumidor, defrauda-se, assim, o interesse público!A situação é tal que as ordens profissionais que não cumprem o seu papel (garantir que os sujeitos que usem um determinado título reúnem as capacidades e competências para o efeito) se permitem interferir nas competências de outras instituições. Raia o ridículo as exigências das ordens profissionais relativamente à nota mínima de ingresso no ensino superior. Às ordens profissionais compete avaliar o candidato no momento do ingresso na profissão e não no momento de ingresso no ensino superior. O consumidor não quer saber se o engenheiro, o arquitecto, ou lá quem seja, entrou com dez a Matemática no ensino superior, mas se sendo titular de um curso que lhe permite o acesso ao exercício de uma determinada profissão está, de facto e não de presunção, apto para o fazer. Isso faz-se através da avaliação individual do candidato à profissão, como faz a Ordem dos Advogados. Dá mais trabalho, dá menos protagonismo, mas dá mais garantias!Garantias que seriam acrescidas se o acesso à profissão não estivesse dependente dos interesses corporativos que as ordens profissionais representam mas de um organismo autónomo e independente. Uma coisa tenho por certa, a manter-se, e enquanto se mantiver o processo de acreditação de cursos, como processo de acesso ao exercício de uma actividade, é indispensável que as ordens que os acreditam sejam legalmente tornadas solidariamente responsáveis pelos danos que aqueles profissionais presumivelmente competentes causarem ao consumidor.Mas melhor mesmo é pôr termo a estes processos que claramente lesam o interesse público que supostamente estariam a proteger.
Luciano de Almeida

Comments on "ACREDITAÇÃO DE CURSOS | PRESIDENTE DO IPL"

 

Anonymous Anónimo said ... (segunda-feira, 01 agosto, 2005) : 

As universidades devem ser as primeiras a denunciar as ilegalidades das ordens profissionais e defender os leus licenciados.
Parabens a Luciano Santos Rodrigues de Almeida

 

Blogger BiPri said ... (segunda-feira, 01 agosto, 2005) : 

Mais uma opinião de uma personalidade insuspeita e que vai ao encontro da nossa! Obrigado Professor Luciano de Almeida!!!

Já agora, aproveito o post para algo que não tem nada a ver mas que é relativamente pertinente: já está on line o site da APELA. Podem visitá-lo em

www.apela-pt.com

Diogo Corredoura

 

Anonymous Alguém que considera os políticos um nojo said ... (segunda-feira, 01 agosto, 2005) : 

Diogo Corredoura:

Aceitei a tua sugestão e fui consultar o site da APELA.

Não gostei do que li.

Das ACTIVIDADES, onde refere o ACESSO À PROFISSÃO, retirei o seguinte texto:

“ Embora discordando quase por completo com o Regulamento de Admissão, A APELA terá de o ACEITAR COMO UM DADO ADQUIRIDO POR FORÇA DA VONTADE DO ORGANISMO PROFISSIONAL. “


Considero muito grave que uma organização que diz defender os interesses dos estudantes e dos licenciados em arquitectura diga que terá de aceitar o RA, “ POR FORÇA DA VONTADE DO ORGANISMO PROFISSIONAL. “ Isto quer dizer que sobrepõem os interesses do organismo profissional, a OA aos dos licenciados que têm e estão a ser discriminados.

Diogo, foi por isto que estiveste ao lado da OA na conferência de imprensa?

Foi por isto que não foste ao provedor?

O aparecimento deste texto que contrapartidas custa à Ordem? O que te prometeram?


Não é nada que não se desconfiasse já.

De qualquer forma, fica desde já claro que a APELA não representa o universo dos estudantes e licenciados em arquitectura. Muito menos ainda aqueles provenientes de universidades reconhecidas, já que o RA prevê o exame


COMO A APELA AFIRMA QUE TERÁ DE ACEITAR O EXAME COMO UM DADO ADQUIRIDO POR FORÇA DA VONTADE DO ORGANISMO PROFISSIONAL, ESTÁ A REPRESENTAR OS INTERESSES DA ORDEM E NÃO OS DAQUELES LICENCIADOS EM ARQUITECTURA QUE ELA ESTÁ A DISCRIMINAR.

DEPOIS DISTO NENHUM LICENCIADO POR UMA UNIVERSIDADE RECONHECIDA SE SENTE REPRESENTADO PELA APELA.

 

Anonymous Anónimo said ... (segunda-feira, 01 agosto, 2005) : 

Eu também li. Tá na página 12.

Os apóstolos também eram 12 e havia um que era o Judas. Vendeu Jesus por trinta dinheiros.

Há uma frase engraçada que diz: ROMA NÃO PAGA A TRAIDORES.

Como a Ordem não cumpre nada do que diz, AINDA PODE SER QUE LHES ACONTEÇA ISSO.

 

Anonymous Anónimo said ... (terça-feira, 02 agosto, 2005) : 

“ Embora discordando quase por completo com o Regulamento de Admissão, A APELA terá de o ACEITAR COMO UM DADO ADQUIRIDO POR FORÇA DA VONTADE DO ORGANISMO PROFISSIONAL. “
looooooool
Onde é que isso está escrito ?

 

Anonymous Anónimo said ... (terça-feira, 02 agosto, 2005) : 

Está no site:www.apela-pt.com

abres " CALENDÁRIO DE ACTIVIDADES PARA 2005 " e vais ler na página 12 O 2º parágrafo de " ACESSO À PROFISSÃO ". Tá.

 

Anonymous Anónimo said ... (terça-feira, 02 agosto, 2005) : 

Recordam-se a quem foi recentemente atribuída a condecoração da Ordem da Liberdade?
Helena Roseta, não?

Helena Roseta = traidora!
Helena Roseta = duquesa de Mântua;
Correligionários = Miguel de Vasconcelos.

Estamos em 2005 e qualquer relação com a restauração de 1640 é pura coincidência.

 

Anonymous Anónimo said ... (terça-feira, 02 agosto, 2005) : 

Apto ou nao Apto...eis a questao!?

esta simples palavra è muito importante, porque muda substancialmente a vida de uma pessoa...

exemplo n°1:
ordem dos arquitectos portugueses
- esta condiçao simplesmente nao existe, os recem-licenciados PORTUGUESES nao tem o direito de estar APTOS para se inscrever (atençao nao "entrar" mas sim inscrever) numa organizaçao profissional.
os recem-licenciados sao obrigados a inscrever-se por causa do actual processo de admissao que muda constantemente.
Quem estudou, quem tem estagio ou quem fez exame ( com igualdade para todos) deveria estas APTO para se inscrever e nao deveria ser OBRIGADO a inscrever-se!!!!

exemplo n°2:
Ordens dos arquitectos Europeias
-os recem-licenciados NAO sao obrigados a inscrever-se numa organizaçao profissional porque existe bom senso!!
Quem estudou, quem tem estagio ou quem fez exame ( com igualdade para todos) fica APTO para se inscrever mas NAO è obrigado a inscrever-se com medo que o processo de admissao mude.

Bom senso...è o que nos falta!

...Os bons exemplos dos outros Paises nao nos servem, preferimos os exemplos descriminatòrios, como o Nazismo, etc...

Pequenos somos, pequenos seremos...

 

Blogger BiPri said ... (terça-feira, 02 agosto, 2005) : 

Como é bom insultar ao abrigo do anonimato.

Oh "alguém que considera os políticos um nojo", e já agora aos restantes "anónimos", 3 coisinhas:

1. Antes de falar do que não sabem, procurem informar-se. Procurem, por exemplo, ler os outros posts que fui deixando aqui no blog ao longo dos tempos para saber a posição que aqui tenho defendido em meu nome e em nome da APELA (e que é a mesma desde Fevereiro de 2000).

2. Já alguém para aí falou alguma vez sobre esta coisa de criar opiniões lendo frases retiradas do contexto. Pelo que coloco aqui a frase toda.
"Embora discordando quase por completo com o Regulamento de Admissão, a APELA terá de o aceitar como um dado adquirido por força da vontade do organismo profissional. Como tal, a acção a desempenhar pela Direcção Nacional deverá centrar-se num género de “magistratura de influência”, procurando encaminhar as decisões da Ordem dos Arquitectos num sentido de maior clareza e justiça para com os licenciados. Contudo, RELEMBRA-SE QUE A POSTURA DA APELA PERANTE A ORDEM DOS ARQUITECTOS RESULTARÁ SEMPRE DAS DELIBERAÇÕES TOMADAS EM ASSEMBLEIA GERAL, PELO QUE ENQUANTO OUTRA NÃO FOR DECIDIDA SERÁ ESTA A QUE SE MANTERÁ."

3. Ao contrário da Arqª Helena Roseta, eu não sou um político. Se sou político por lutar pelo que considero justo, então somos todos políticos.
A frase "O aparecimento deste texto que contrapartidas custa à Ordem? O que te prometeram? Não é nada que não se desconfiasse já." quase me deixou rubro de raiva! E quem fizer o que digo no primeiro ponto ou quem me conhece perceberá porquê!!!
Gostava que todos os "alguéns que consideram os políticos um nojo" e "anónimos" dessem a cara (ou o nome). Quando sou insultado gosto de saber a quem tenho de responder.

Gostava de perceber este ressabianço todo em relação à APELA. Talvez Freud explique...

Já agora, já enviei ao moderador do blog a cópia da resposta que o Presidente da Assembleia da Repúbica deu à carta que a APELA enviou sobre o sistema de admissão à OA. Espero que ele a coloque no blog.

A OA também já tem no seu site a lista actualizada dos cursos Reconhecidos e Acreditados. Para quem anda aqui no blog a dizer raios e corriscos sobre a OA mas depois vai a correr fazer o estágio, é só dar uma vista de olhos à parte da Admissão. (já uma vez falei aqui de coerência, não já?...)

Diogo Corredoura

 

Anonymous paulo said ... (terça-feira, 02 agosto, 2005) : 

Espero que essa resposta do Presidente da Assembleia da República saia "cá para fora" depressa, já que o Provedor deve estar de férias!

 

Blogger BiPri said ... (terça-feira, 02 agosto, 2005) : 

PS - Será que os "iluminados" que tanto odeiam a APELA sabem qual foi a reacção da OA ao comunicado que esta publicou após a conferência de imprensa? Será também que sabem responder porque é que a OA nunca respondeu aos nossos pedidos de reunião? E será ainda que sabem quem foi o "idiota" que andou a tentar reunir o maior número de pessoas para se juntarem ao pagamento do parecer que foi entregue ao Provedor de Justiça e que acabou por ser o único a pagá-lo que não era do ISMAG?

Deve ser porque a OA tem tudo combinadinho com a APELA e comigo e deve estar a depositar os 30 dinheiros numa conta suiça ou a guardar projectos de arquitectura para a malta realizar mais tarde...

 

Anonymous Anónimo said ... (terça-feira, 02 agosto, 2005) : 

Diogo:

Dentro ou fora do contexto comenta a frase seguinte:

- " a APELA terá de o aceitar como um dado adquirido por FORÇA DA VONTADE DO ORGANISMO PROFISSIONAL"

Não percebo a coerência das tuas intervenções.

 

Anonymous Anónimo said ... (terça-feira, 02 agosto, 2005) : 

Diogo:

Dentro ou fora do contexto comenta a frase seguinte:

- " a APELA terá de o aceitar como um dado adquirido por FORÇA DA VONTADE DO ORGANISMO PROFISSIONAL"

Não percebo a coerência das tuas intervenções.

 

Anonymous CSI: said ... (terça-feira, 02 agosto, 2005) : 

"PS - Será que os "iluminados" que tanto odeiam a APELA sabem qual foi a reacção da OA ao comunicado que esta publicou após a conferência de imprensa?"

Olá Diogo, tenho acompanhado vivamente os teus comentários ao longo des te blog, são coerentes e não tens de provar nada a quem te conhece bem, no entanto espanta-me o modo como generalizas certos comentários que te fazem alguns colegas, deixando em suspense frases como a que escreves-te em epigrafe, gostaria que se tens conhecimento de mais informações as tornasses públicas, ainda estou a aguardar a proposta que a APELA tinha para o sistema de admissão à OA, podias colocar no vosso site seria interessante.

Cumprimentos e continuação de bom trabalho

 

Anonymous Anónimo said ... (quarta-feira, 03 agosto, 2005) : 

Conheço o Diogo há algum tempo, desde o inicio das andanças nesta guerra com a AO. Desde o fim de semana de Monchique, em 2001, de onde saíram as primeiras palavras escritas contra este processo das admissões.
O Diogo foi das pessoas que mais fez por esta causa, começando pela renuncia à “obrigatoriedade” de fazer os exames e os estágios.
Fez mais do que a maior parte dos colegas terá algum dia oportunidade de fazer. Há muita gente que escreve para este blog que nunca fez nada além disso. Até agora o que fizeram foi ir, de rabinho entre as pernas, fazer os exames, os estágios, etc., depois fazem grande estrilho para se mostrarem ocupados. Mas nos próximos exames, se as condições se mantiverem como estão, estão lá caídinhos outra vez a prestar vassalagem à "odiada" Heleninha.
Diogo, realmente não tens de provar nada. Se há coerência nos actos será nos teus. Sempre lutas-te por esta causa e tu é que defines a tua maneira de lidar com o problema. Bem hajas.
FBR

 

Anonymous arq|estagiário said ... (quarta-feira, 03 agosto, 2005) : 

"Não lhe compete à ordem estar a fazer provas académicas, saber se os cursos ensinaram aquela matéria, isso não é o nosso problema" citação de Helena Roseta

Esta senhora é mentirosa e promete que vai resolver o problema e nada faz para isso, ainda hoje não acredito como foi possivel escolher Helena Roseta para presidente da OA, será que os membros da OA não percebem que a senhora deve imensos favores politicos e quando é assim não se consegue fazer nada pelos arquitectos e pela arquitectura em Portugal.

Querem entrar no intimo da senhora e perceber com quem se andam a meter?

http://semiramis.weblog.com.pt/arquivo/2005/01/despesa_insultu.html

"Chegou a bastonária apenas porque era uma figura política.
Ainda por cima de um Ordem que só certificou as 2 faculdades oficiais, onde os membros da Direcção são catedráticos, e a Lusíada, onde os mesmos também dão aulas.
E o que se passa na Ordem é um escândalo. Claro que como a Roseta não percebe népia de arquitectura, limita-se a assinar de cruz aquilo que os "senhores professores arquitectos" lhe põem debaixo do nariz."

QUE MISÉRIA É ESTE NOSSO PAIS

 

Anonymous Anónimo said ... (quarta-feira, 03 agosto, 2005) : 

Colega que dizes que “(...) ainda hoje não acredito como foi possível escolher Helena Roseta para presidente da OA (...).

Por dois motivos: Incompetência dela e incompetência de quem a escolheu!

Para poder reinar, um (uns) incompetente precisa de escolher outro mais incompetente que ele (eles), que lhe obedeça, que lhe seja submisso.

Helena Roseta é uma fantoche, cínica, mentirosa mas fantoche.

A Ordem está tomada por interesses cinzentos, muito cinzentos...Como quase tudo neste país...

 

Blogger BiPri said ... (quarta-feira, 03 agosto, 2005) : 

Anónimo,

O comentário à frase "a APELA terá de o aceitar como um dado adquirido por FORÇA DA VONTADE DO ORGANISMO PROFISSIONAL" é este:

Os novos membros da Direcção Nacional da APELA estão cansados de tentar convencer diplomaticamente a OA a alterar o sistema de acesso, quer porque acompanharam o trabalho da anterior Direcção, quer porque a OA sempre se mostrou inflexível na sua vontade de aplicar o regulamento conforme considera correcto. Daqui resultou um tomada de posição simples: se a OA não cede aos nossos pedidos, deixamos de lutar por alterar o regulamento de admissão, tomamo-lo como um dado adquirido e seguimos em frente com outras formas de agir. A vontade da OA é aplicar o regulamento desconsiderando a nossa opinião. É este o dado adquirido!

Foi daqui que resultou a resposta da APELA à conferência de imprensa dada pela OA. O problema é que a Direcção Nacional da APELA não pode avançar directamente para formas de luta mais "vigorosas" porque não foi mandatada para isso em Assembleia Geral ou no Congresso. Por isso é que a frase terminava com "RELEMBRA-SE QUE A POSTURA DA APELA PERANTE A ORDEM DOS ARQUITECTOS RESULTARÁ SEMPRE DAS DELIBERAÇÕES TOMADAS EM ASSEMBLEIA GERAL, PELO QUE ENQUANTO OUTRA NÃO FOR DECIDIDA SERÁ ESTA A QUE SE MANTERÁ."
Por "esta" entenda-se a postura diplomática que tem sido seguida até aqui.

A Direcção Nacional da APELA considerou o comunicado como sendo um documento diplomático, onde não se tentou atacar a OA mas apenas levantar, uma vez mais, todas as questões para as quais ainda não há resposta (porque o Provedor de Justiça ou os Tribunais ainda não disseram de sua justiça). Mas houve pessoas dentro da OA que consideraram o documento uma afronta! Até parece que dissémos algo de novo ou que insultámos alguém... Tenho pena é que certas pessoas continuem sem saber ler de uma forma inteligível o que lhes aparece à frente, que confundam pessoas com instituições e que misturem alhos com bugalhos.

Espero que tenha ficado esclarecido.


Para o CSI: a proposta de novo sistema de admissão realizada pela APELA e entregue à OA a 4 de Fevereiro de 2004 está no site da APELA (na parte que respeita ao regulamento de admissão à OA). Podes verificar em

www.apela-pt.com.

Chamo só a atenção para o facto de aquela proposta ter sido realizada numa altura em que ainda ninguém sabia o que a OA ia fazer a seguir, pelo que existem alguns aspectos que se encontram desactualizados (a OA entretanto aprovou alterações ao RIA em Abril de 2004 e aprovou o novo RA em Novembro de 2004).
A proposta foi aprovada em Assembleia Geral da APELA e deve ser contextualizada no tempo.


A todos em geral: o meu nome não é segredo, nem os meus contactos. Quem quiser tirar satisfações só tem de se dirigir a mim. Não tenho nem nunca tive nada a esconder. E já houve consequências desta minha saída do pseudónimo "BiPri" para o meu nome real e da saída do comunicado da APELA. Só que tudo tem o seu tempo para ser dito. E há coisas para dizer cujo tempo ainda não chegou.

Diogo Corredoura

 

Anonymous Anónimo said ... (quarta-feira, 03 agosto, 2005) : 

Ouvi hoje nas notícias: Helena Roseta acusa José Sócrates e Mário Soares de "falta de lealdade e transparência"!!!

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAAAAAHHHHHHAAAAHHHHHAAAAHHHHHHHHHHHHHHAAAAHHHAHAHA!!!

"FALTA DE LEALDADE E TRANSPARÊNCIA"!!!

Só dá para rir.

 

Anonymous Xelb said ... (quarta-feira, 03 agosto, 2005) : 

Meu caro Bipri:
Neste momento, e para se poder modificar algo em relação à atitude oficial da APELA, para que a sua política seja mais "vigorosa" parece-me então que basta uma Assembleia Geral em que essas medidas sejam aprovadas. Faça-se então a Assembleia Geral e apele-se a todos para que compareçam para assim se aprovarem as medidas "vigorosas"

 

Anonymous Anónimo said ... (quarta-feira, 03 agosto, 2005) : 

Pessoal se querem um conselho não percam tempo com migalhas.

 

Anonymous Anónimo said ... (quarta-feira, 03 agosto, 2005) : 

Apela? O que é isso? isso existe? Junta pessoas ou é só um nome para usar quando dá jeito ter ao lado alguém que diga que representa os estudantes e os licenciados de arquitectura?

Todos juntos secalha não enchem uma Capela, que era como se queriam chamar.

 

Anonymous Anónimo said ... (quinta-feira, 04 agosto, 2005) : 

Vocês não veêm que estas bocas à APELA são do pessoal da OA a querer destabilizar-nos.
Deixem-se disso, não percam tempo que esse é nosso.
FBR

 

Blogger BiPri said ... (quinta-feira, 04 agosto, 2005) : 

Oh palhacinho, CAPELA era o nome que alguém propôs para o Congresso da APELA.

Tás a ver?

Congresso da
Associação
Portuguesa de
Estudantes e
Licenciados em
Arquitectura

Dah!!!

Houve o bom senso de recusar essa proposta. Que não era pior que o Colégio de Especialidade de Urbanismo da OA. O CEU!!!

Continuam aí uns palhacitos ressabiados com a APELA a esconderem-se atrás do anonimato. Estão com medo do quê? Eu não mordo ninguém.

Ou estão com medo que a OA descubram quem são? E depois? A OA vai fazer o qué? Recusar-vos a entrada? Isso já ela está a fazer!!! Ou estão com medo que os arquitectos que fazem parte dos órgãos da OA vos chumbem os projectos nas câmaras municipais? Como é que cantava o Jorge Palma? "Deixa-me rir..."

Este comentário não é para todos. Os visados sabem quem são.

Já agora, as 5 associações e núcleos de estudantes que têm aparecido nas assembleias gerais da APELA representam 2.500 alunos. É só 1/3 de todos os estudantes de arquitectura existentes no país... Há sindicatos e associações que nem 5% dos profissionais representam e não é por isso que o Estado deixa de lhes reconhecer representatividade.

Tal como fiz com o Valha-nos Deus, vou ostracizar as pessoas que realizam este género de comentários anónimos, vazios de argumentação, despojados de razão e reveladores da pequenez mental de quem os aqui coloca.

Diogo Corredoura

 

Blogger BiPri said ... (quinta-feira, 04 agosto, 2005) : 

Confirma-se que o assessor do Provedor de Justiça, Dr. João Portugal, entrou de férias. Mas também se confirma que o documento está quase quase pronto.

Quanto mais chatearem a cabeça deles mais depressa vão querer acabar aquilo.

E voltando rapidamente à questão da coerência, alguém leu o artigo que a Arqª Helena Roseta publicou no jornal "Público"? Acho que a própria deveria ser a primeira a ler o que escreveu. Era bonito que o que a arquitecta escreveu acerca da candidatura do Mário Soares à presidência e do papel do Eng. Sócrates nisto tudo fosse aplicado na OA.

Diogo Corredoura

 

Anonymous paulo said ... (quinta-feira, 04 agosto, 2005) : 

Diogo, foi exactamente isso que eu escrevi no comentário de 4ª feira:
"Helena Roseta diz que candidatura de Soares não é saudável",.... este é o título de um artigo de opinião do Jornal Público.

Pois nesse artigo experimentem trocar "...candidatura de Soares..." por "Ordem dos Arquitectos" ou "Regulamento de Admissão" e vão ver que a Lenita tem razão!

 

Anonymous nljf said ... (quinta-feira, 04 agosto, 2005) : 

Diogo:

Já agora, quem são neste momento as 5 magnificas.

Também gostaria de saber: - se for convocada uma manifestação poderemos contar com essas associações? Se sim então gostariamos de saber aproximadamente com quantos alunos poderemos contar para se manifestarem contra a discriminação dos exames.

Obrigado.

 

Blogger BiPri said ... (sexta-feira, 05 agosto, 2005) : 

As "5 magníficas":

Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura - UTL

Núcleo de Estudantes de Arquitectura da Universidade Moderna de Lisboa

Núcleo de Estudantes de Arquitectura do ISCTE

Núcleo de estudantes de Arquitectura da Universidade Lusófona de Lisboa (esta com menos intensidade nos últimos meses)

Núcleo de Estudantes de Arquitectura da ARCA/EUAC de Coimbra

Infelizmente não posso dizer com quantas associações / núcleos ou estudantes / licenciados se poderá contar para qualquer manifestação que se faça. Apesar de a APELA procurar congregar todos, a vida de cada um é consigo próprio. E já nos aconteceu apanhar alguns baldes de água fria.

Tudo depende de muita coisa para se fazer o que quer que seja: a data, a hora, se é altura de exames ou não, se as associações e núcleos realmente espalham a informação, se as pessoas estão alertadas para a questão, se há verdadeiro empenho dos "dinamizadores", se o patrão dá umas horas de folga e até, infelizmente, se é dia de futebol ou se está bom tempo para ir para a praia! Podem aparecer 10, como podem aparecer 500.

Há aqui um grande problema. As associações e núcleos têm eleições todos os anos e é normal que de 12 em 12 meses apareça alguém caído do céu perfeitamente a leste do problema mas que, ainda assim, é o legítimo representante dos seus colegas. Ninguém imagina quantas vezes se repete a mesma informação de cada vez que há eleições nas faculdades... A isto acresce outro factor: a maioria dos núcleos são bastante frágeis, porque têm poucas pessoas, pouco dinheiro ou até mesmo pouca vontade. Mas a APELA não controla a vida das associações e núcleos. Apenas, e só, controla a sua própria vida.

Tudo depende da vontade e empenho de cada um.

Diogo Corredoura

 

Anonymous Anónimo said ... (sexta-feira, 05 agosto, 2005) : 

Ó diogo!

tu és um lirico meu.

 

Anonymous Anónimo said ... (segunda-feira, 08 agosto, 2005) : 

Será que não entendem que estas bocas são de pessoal da Ordem a tentar por-nos uns contra os outros.
Deixem-se disso. Há que focar o problema de fundo, o nosso problema. Deixem de atacar quem está a fazer algo por esta causa.
Ao menos o "Valha-nos Deus" era engraçado.
FBR

 

post a comment