sexta-feira, dezembro 09, 2005

"ORDEM" - PARA QUE TE QUERO?

Hoje o assunto discute-se no







autor:

Carlos de Abreu Amorim
Escola de Direito da Universidade do Minho
Campus de Gualtar, 4710-057 Braga

Comments on ""ORDEM" - PARA QUE TE QUERO?"

 

Anonymous CSI: said ... (sábado, 10 dezembro, 2005) : 

Post muito interessante

 

Anonymous arq!estagiário said ... (sábado, 10 dezembro, 2005) : 

"advogados de Nova York no séc. XVIII que durante 14 anos vedaram o acesso à profissão a novos advogados excepto se os candidatos já possuíssem o inafastável mérito de serem... filhos de advogados"

"arquitectos de Portugal - Europa no séc. XXI que durante 4 anos vedaram o acesso à profissão a novos arquitectos excepto se os candidatos já possuíssem o inafastável mérito de serem... filhos de escolas acreditadas pela ordem"

no nosso País as coisas estão na mesma

 

Anonymous anonimo said ... (sábado, 10 dezembro, 2005) : 

Título: As soluções e os seus efeitos Data: 06-12-2005 0044
Fonte: Diário Notícias

As soluções e os seus efeitos

Se, em 1998 e 99, Helena Roseta, já deputada, tivesse assistido aos encontros sobre a localização do novo aeroporto de Lisboa promovidos pela Sociedade de Geografia de Lisboa e pelo Instituto Superior Técnico (um dos. quais teve mais de 200 participantes) seria menos ignorante sobre esta matéria do que mostrou num "frente-a-frente" da televisão.

Posso sugerir-lhe que leia a série de artigos (creio que cinco) recentemente publicados no suplemento Carga e Transportes do Público pelo eng. Reis Borges, jubilado do Conselho Superior de Obras Públicas, militante como eu do PS, provavelmente a pessoa mais conhecedora da história das infra-estruturas aeroportuárias portuguesas, e cujo contributo tem sido completamente desperdiçado neste processo. Pelo meu lado, comprometo-me a ler com atenção todos os textos que a Helena Roseta me indicar.

Para além da ignorância, o esquecimento e o autismo têm sido as notas dominantes deste processo sobre a localização do novo aeroporto de Lisboa e, dum modo geral, da generalidade dos processos relacionados com as grandes infra-estruturas que vão moldar o território nacional.

Esquecimento que permite, por exemplo, que estudos fragmentados, dispersos e incompletos (um deles pelo menos risível) apresentados de um modo superficial, em Março e Junho de 1999, em sessões públicas em Alenquer e no Pinhal Novo e praticamente não analisados até agora, sejam, seis anos depois, a base justificativa de um empreendimento com uma influência gigantesca para o futuro do País.

Autismo exemplificado por nem a Ordem dos Arquitectos, nem a Ordem dos Engenheiros, nem nenhum dos candidatos à recente eleição para a Câmara de Lisboa se terem minimamente interessado pelo problema da futura estação terminal dos comboios TGV vindos de Badajoz, nem pela travessia ferroviária do Tejo, que será decidida muito em breve, e, em particular, pelo impacto que poderá ter sobre o urbanismo de Lisboa a anunciada ponte das Olaias ao Barreiro, talvez, agora, a ser repensada.

Como bastonária da Ordem dos Arquitectos, sugiro-lhe que peça a colegas seus para fazerem esboços dos viadutos que será necessário fazer sobre a cidade, se esta ponte for construída, para avaliar o seu impacto.

É sempre útil falar destas coisas, embora o choque de opiniões possa nalguns casos ter alguma violência.

 

Anonymous anonima said ... (sábado, 10 dezembro, 2005) : 

uau

 

Anonymous anonimo said ... (domingo, 11 dezembro, 2005) : 

"Não há telhado, como não há chão:
Horror!E tudo fora do espaço!
Implacavelmente, vejo-o a pular!
Há o palhaço e o mais é um vão,
Ele, incansável, para cima e para baixo
O palhaço em seu grotesco saltar.
[...]

Tracei um circulo por terra.
Era uma estranha, mistica forma
Onde eu pensei que, muitos, houvera
Símbolos mudos que a mudança enforma
E da lei, formulas complicadas
Que, do ventre da Mudança, são entradas.

Meu simples pensar em vão quis parado
O correr desta loucura à revelia,
Mas meu pensamento está condenado
Ao simbolo e à analogia:
Julguei que um circulo encerrasse inteiro
Em calma, a violência do mistério.
[...]"

Extraido dos poemas "o palhaço" e "o circulo",
de Fernando Pessoa.

 

Anonymous Karkov said ... (quarta-feira, 14 dezembro, 2005) : 

Karkov on Terça-feira, 13 Dezembro, 2005
Caros colegas,

Tal como vós, também eu me sinto discriminado. Como tal, quero unir o meu esforço ao vosso. Também eu já tenho uma advogada a tratar das coisas, mas se todos nós estivermos em sintonia, melhor para todos (excepto para a (des)Ordem).
Agradeço que me indiquem o melhor procedimento.

Obrigado

 

Anonymous FBR said ... (quarta-feira, 14 dezembro, 2005) : 

Caro Karkov,
se contratou uma advogada está no bom caminho.
A advogada saberá, de certo, o que fazer.
Parabéns.

Processos...processos...processos...
Processos...processos...processos...
Processos...processos...processos...
Processos...processos...processos...
Processos...processos...processos...
Processos...processos...processos...
Processos...processos...processos...
Processos...processos...processos...
Processos...processos...processos...
Processos...processos...processos...
Processos...processos...processos...
Processos...processos...processos...
Processos...processos...processos...
Processos...processos...processos...
Processos...processos...processos...
Processos...processos...processos...

 

Anonymous FBR said ... (quarta-feira, 14 dezembro, 2005) : 

Os da ordem estão "descançados" porque acham que quando isto rebentar já não estão lá.
Pode ser que se enganem e que seja mais rápido do que eles pensam.
Cumprimentos aos resistentes.

 

Anonymous FBR said ... (quarta-feira, 14 dezembro, 2005) : 

A maltinha da ordem têm advogados na ordem que os informa bem, pelo que sei, só que não fazem nada do que eles lhe dizem.
Informem-se sobre as repercussões que têm os processos crime.
Estes não cessam com o abandono do lugar que ocupam agora. É direccionado para cada individuo.
Vejam bem no que se estão a meter. Quem os avisa não é vosso amigo, mas olhem que pode tornar-se complicado. Por caus de uma embirração momentânea podem estar a dar cabo da vossa vida.
Há quem esteja disposto a ir até ao fim nesse propósito.
Vejam bem...

 

Anonymous anonimo said ... (quarta-feira, 14 dezembro, 2005) : 

"Estes não cessam com o abandono do lugar que ocupam agora"

Pois é, enquanto em Portugal as pessoas que ocupam cargos publicos não forem responsabilizadas pelos actos que cometem, isto não vai a lado nenhum.

O processos crimes deviam ser o prato do dia nos tribunais, o problema é que a justiça não funciona e essas pessoas andam descansadas da vida.

Pessoas como a Helena Rosetao, Nuno Simões do CNA e o Paulo Antunes do CRA, estão claramente aptos a ser responsabilizados.


Paulo Antunes respondeu aos licenciados sobre a entrada directa com base na recomendação do Provedor de Justiça, sem que tenha contactado o apoio juridico!!!!!

O apoio juridico diz que os licenciados têm razão, mas que eles os "donos da ordem" não querem!

Isto parece uma brincadeira de crianças

 

Anonymous FBR said ... (quinta-feira, 15 dezembro, 2005) : 

Não se esqueçam do papa tachos João Afonso...

 

Anonymous Arqº. Discriminado said ... (quinta-feira, 15 dezembro, 2005) : 

JOÃO AFONSO?, Ah! O Sr. PROVEDOR DO ESTÁGIO.

Tem ao mesmo tempo o pelouro da Admissão/Provedor do Estágio. É ao mesmo tempo Polícia/Ladrão. É o responsável pela aplicação das regras para a admissão e ao mesmo tempo responsável pela fiscalização da aplicação dessas regras.

Isto só na Ordem dos Arquitectos!

Certamente que este Sr. não vai deixar de ser responsabilizado pela não aplicação das regras de admissão. Por exemplo, os colegas que entraram pelo RIA ao terminarem o estágio de acordo este regulamento deveriam ser automaticamente inscritos como membros efectivos. A O. A. não o faz, e o Sr. Provedor Do Estágio ( João Afonso ) não cumpre as suas obrigações nesse sentido obrigando a O. A. a inscrever os candidatos como membros efectivos, logo será responsabilizado em nome da Ordem, mas também o será em nome individual, e como tal o que ganha neste tacho não lhe chegará para pagar as indemnizações a pagar aos prejudicados por essa sua acção.

SE É PROVEDOR DO ESTÁGIO TEM DE CUMPRIR AS SUAS OBRIGAÇÕES ESTATUTÁRIAS, caso contrário responderá por isso.

Neste momento a Lei é clara, AS PESSOAS SÃO RESPONSÁVEIS INDIVIDUALMENTE PELOS ACTOS PRATICADOS EM REPRESENTAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO. Vai contando as notas e começando a poupar.

 

Anonymous HP said ... (quinta-feira, 15 dezembro, 2005) : 

A responsabilidade civil e criminal dos titulares dos cargos está, efectivamente, consagrada na lei, a par da responsabilidade disciplinar.

Mas, meus Caros, tal só se verificará se agirem!

De nada valem os desabafos! Há que passar das palavras aos actos.

Só intentando acções em Tribunal se poderá responsabilizar quem de direito.

 

Anonymous anonimo said ... (sexta-feira, 16 dezembro, 2005) : 

Ao que parece já há candidatos para fazer a prova de admissão, esta ordem é espectacular consegue sempre aquilo que deseja.

Parabéns Ordem dos Arquitectos

 

Anonymous anónimo said ... (sexta-feira, 16 dezembro, 2005) : 

Isso é o que eles pensam!!

 

Anonymous anónimo said ... (sexta-feira, 16 dezembro, 2005) : 

Parabéns ?!?

Ah pois... é verdade... agora premeia-se a vigarice, a ladroagem, a maldade, a burrice e... a ignorância!

Parabéns, assim, a todos quantos julgam que estão a conseguir o que pretendem.

Esse é um "entendimento" que, até eu, considero verdadeiramente "espetacular"!

 

post a comment